05 março 2007

Crianças Rebeldes


É isto a rebeldia?

Hoje tive reunião marcada com a psicóloga da escola da minha filha.
Já fui de pé atrás e até cheguei atrasada para a tipa perceber que sou muito atarefada!
Só que, quando me apercebi do tempo a passar e ela que falava, falava, não dizia nem me deixava dizer nada, resolvi tirar o tlm do silêncio, começar a atender todas as chamadas e a lêr os sms que me enviavam…
Comecei a mostrar cansaço e ares de carneiro mal morto, a ver se a menina-psi do ‘nuorte’ me deixava ir, porque afinal a criança até está bem e esperava por mim inquieta no recreio, já quase às 7 da tarde….
No quase finalmente da conversa apeteceu-me acordar (ando assim a modos que cansada e ensonada), e acabei por ter de lhe contar todo o meu passado-passado, meio-passado, passado-presente, o dito presente e quase tive de me armar em bruxa para lhe oferecer o ‘nosso’ futuro e fugir daquele filme…
Tive de falar de justiça.
A das leis em si, não sei não entendo, nunca as estudei, mas ela por certo também não!? Tentei falar das outras…
Falar de justiças, não as ditadas por juízes mas aquelas que todos sabemos.
Upsss, nem era de leis nem justiças que falávamos!!!
Era da personalidade da minha filha e da sua ausência de rebeldia!
Afinal a miúda é atinadinha...
É assim tão mal ser-se o oposto que a mãe foi?
Será que esta escola tem ainda a minha ‘pasta’ à mão de semear para testarem os genes dos meus filhos? Já devia era estar arquivada.
Eu que quando era adolescente jurei a mim própria nunca pôr um filho meu nesta escola, fui cair neste erro! (Só caí nele por uma razão logística enfim, também por outras, mas essas não vou dizer!).

É com estas porradas valentes que vamos aprendendo…

Ah, e afinal quem é que gosta de estudar quando se está em idade de brincar? Eu nunca gostei de estudar como qualquer criança só que tinha mais tempo para o fazer...
A rebeldia que tive e vivi é tão diferente da dela…
E agora, o que os faz rebeldes? Serão os computadores? Os TLM’s, as PSP’s???
Ou a falta de rasgões nos jeans, as cabeças partidas e jogar à bola na rua?

E esta psicóloga não pertence mais à geração da minha filha???


RAIO DE GERAÇÃO ESTA!

10 comentários:

alfabeta disse...

Acho que hoje em dia esperam que os miúdos aprendam tudo muito depressa, os meus estão na 1ª classe e coitados, o que querem é brincar. Todos nós temos uma criança dentro de nós e a minha é tão grande, até eu gosto, quanto mais eles com 6 anos.Kiss, Kiss.

migvic disse...

Esta geração é mais calminha que a nossa. Eu com essa idade já tinha partido a cabeça á pedrada a muitos.

Patrícia Cardoso disse...

Vim retribuir a tua visita...fiquei com o coração aos saltos qd abri o teu blog...a musica "She"...foi-me dedicada pelo meu ex...ainda estou a tremer um pouco...

gostei muito do teu blog e voltarei!
bj

mamã gaivota disse...

:) a vida coloca-nos cá cada coisa no caminho...ganda seca! mas a moça lá se sentiu na necessidade de justificar o ordenado que ganha :D

bjecas disse...

A culpa não é dos putos.
É dos dias em que vivemos!

Os meus são uns tenrinhos!

\m/

Kruella disse...

Eu não percebi muito bem...a psi deu uma seca porque a tua pequena não é rebelde? Então ela só ficaria satisfeita se a tua filha lhe batesse ou fosse mal educada? Ou percebi tudo mal...

Mize disse...

Realmente é uma raridade. Daí a curiosidade da psicóloga. Porque hj com a vida sedentária que os nossos miudos levam, acabam por demonstrar a sua rebeldia de uma forma mais exuberante. Mas não faz mesmo mal nenhum ser diferente, logo que tu, como mãe, aches que cumpre os padroes. Conselho: manda a psicóloga jogar meia hora no nintendo DS ou ver 1 capítulo dos morangos com açucar e vais ver como fica rsrsrsr

as velas ardem ate ao fim disse...

algumas pessoas esquecem se do que já foram...

Bjinhos para tua menina e para ti

AEnima disse...

boa questao a tua, de facto! E nao tenho resposta para ela... normalmente ponho-me logo a refilar com tudo... mas desta vou ficar calada

Ja agora, nao tenho pachorra para psicologos (as). Tive umas chatices aqui ha uns anitos atras e massacraram-me o juizo para fazer terapia. Pois ao fim da terceira consulta nao apareci mais... e juro que nao sei como aguentei 3 consultas inteiras... sao balelas atras de balenas... teorias com nada pratico em que possamos pegar para resolver a questao... NADA! chatos do caracas! E olha que a minha irma eh psicologa! Mas essa nao tem paciencia para ouvir os pacientes. Corta-lhes o discurso e da-lhes uns quantos estalos psicologicos e pimba, ficam logo "curados". Pena que os familiares nao possam fazer terapia aos proximos.

Arre que o meu historial com estes caramelos eh tao grande que nao tenho paciencia!

Ah: obrigada pelos teus comentarios! Ja me fizeste rir hoje :)

Beijocas

Sofia Morais disse...

Realmente alguém que se refere à psicóloga da escola como "a tipa", e que ao invés de se impor como adulta que é e dizer que não tem tempo ou disposição para aquela conversa, age de forma totalmente desrespeitosa e, deixe que me diga, infantil, não se pode esperar que tenha entendido alguma coisa do que se passou naquele espaço.
Sinceramente, até pelo que li é impossível entender alguma coisa (se a sua filha portou-se bem ou mal demais), a única coisa que se entende é que a sua raiva foi toda activada naquele momento perante uma profissional que, presumo eu, estaria a tentar ajudar, mesmo que não o estivesse a fazer da melhor forma (o que não coloco em causa).
Tenho pena que não tenha estado mais atenta para se calhar se aperceber de algo que lhe passa ao lado na sua filha, até porque os pais estão cada vez mais sobrecarregados de trabalho e com pouco tempo para dedicar aos filhos. Por isso mesmo, não deviamos negar qualquer ajuda (normalmente só recorremos às ajudas existentes para desculpabilizarmo-nos de algo, quando já é tarde de mais para outra atitude).
E quanto à rebeldia de que fala, isso é normal e natural em qualquer criança saudável...mas, infelizmente, quem na maior parte das vezes se sente incomodado com essa "rebeldia natural" são os pais, que imediatamente levam as crianças aos psicólogos porque estas não ficam três horas em frente a uma televisão sem incomodar ninguém.
Parece-me que a Psicóloga da escola deverá ter formação suficiente (?!) para saber distinguir o normal do patológico e se calhar deveria colaborar com ela no sentido até de desmistificar qualquer ideia errada que possam ter da sua filha. Infelizmente, com esta atitude, só a deve ter deixado a pensar que era uma mãe completamente desinteressada e talvez até tenha dado ênfase aos "problemas" (sejam eles quais forem) que a psicóloga acha que a sua filha supostamente tem. O importante, não ajudou a sua filha em nada.